Geral

04 de junho na história: Acontece a matança na Praça da Paz Celestial em Pequim

Milhares de manifestantes protestavam contra o governo comunista chinês

No dia 4 de junho de 1989, a praça Tiananmen (Praça da Paz Celestial), em Pequim, foi o palco de uma terrível matança que resultou na perda de 400 a 2.000 pessoas, vítimas da força repressiva do exército chinês.

Eles protestavam de forma pacífica, ao longo de quase dois meses, pelo fim da corrupção e por mais liberdade diante da ditatura imposta pelo Partido Comunista (PCCh). Contudo, em vez de atender aos pedidos dos manifestantes, o governo decidiu responder com a força, enviando tanques e o exército.

No dia seguinte, 5 de junho, um jovem solitário e desarmado invadiu a Praça da Paz Celestial e faz parar uma fileira de tanques de guerra. O fotógrafo Jeff Widener, da Associated Press, registrou o momento, e a imagem entrou para a história do fotojornalismo. O rapaz ficou conhecido como “o rebelde desconhecido” e foi eleito pela revista Time como uma das pessoas mais influentes do século XX. Sua identidade e seu paradeiro nunca foram descobertas.

Ainda na atualidade há manifestantes presos, enquanto ativistas e vítimas desejam que a Europa pressione o governo comunista a assumir sua responsabilidade na matança. Os protestos da praça de Tiananmen prejudicaram a reputação do governo chinês nos países ocidentais, já que os meios de comunicação tinham sido convidados ao país para cobrir a visita do político russo e Secretário Geral do Partido Comunista da União Soviética, Mijaíl Gorbachov, em maio.

Devido a isso, emissoras internacionais estavam em uma excelente condição para cobrir ao vivo a repressão do governo chinês no episódo dos protestos, especialmente a BBC e a CNN. Os manifestantes aproveitaram esta oportunidade para exibir cartazes dirigidos à opinião pública internacional.

 

Fonte: History.com

Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios