Política

Juiz determina bloqueio de R$ 128 milhões de Aécio Neves

O bloqueio de ativos se estende a 15 investigados, bem como a 5 empresas

Segundo noticiado no fim desta noite (28) pela Agência Brasil, a Justiça Federal, em São Paulo, determinou o bloqueio imediato de R$ 128 milhões do ex-senador e atual deputado federal Aécio Neves. A decisão é do juiz federal João Batista Gonçalves, da 6ª Vara Criminal Federal de São Paulo, e se refere à “suposta” vantagem ilícita obtida pelo então senador entre os anos de 2014 e 2017.

Conforme apurado pelo Ministério Público Federal (MPF), enquanto exercia o mandato de senador, Aécio Neves teria solicitado a Joesley Batista e ao grupo J&F vantagens indevidas sob a promessa de favorecimento em um futuro governo presidencial. Segundo a denúncia, a promessa envolveria também influência junto ao governo de Minas Gerais para viabilizar a restituição de créditos fiscais de ICMS em favor das empresas do grupo J&F.

Ainda de acordo com o MPF, Aécio Neves teria recebido a quantia de R$ 128.049.063,00, sendo parte desse valor recebido nas eleições de 2014 e parte na compra de um prédio em Belo Horizonte. Além disso, foram pagas prestações por meio da Rádio Arco Íris, que pertence à irmã e à mãe de Aécio Neves.

O MPF aponta cinco fatos criminosos cometidos pelo então senador. No primeiro deles, ele teria pedido a Joesley Batista o pagamento de R$ 100 milhões para a campanha presidencial. Depois, em contrapartida pelas contribuições para a campanha, Aécio teria prometido influência no futuro governo, com concessão de facilidades. O terceiro fato seria a compra do prédio do Jornal Hoje em Dia, em Belo Horizonte, para a quitação de despesas com a campanha presidencial de 2014. Para isso, Aécio teria solicitado o pagamento de R$ 18 milhões e recebeu a quantia de R$ 17.354.824,15 por meio da aquisição desse prédio. Além disso, o senador recebeu pagamentos mensais de R$ 50 mil, entre os anos de 2015 e 2017, por meio da Rádio Arco Íris, para custeio de despesas pessoais. Por último, ele teria solicitado pagamento de despesas com advogado, da ordem de R$ 5 milhões.

“Os indícios apresentados pela autoridade policial vinculam os investigados a possíveis acertos escusos, envolvendo vantagens indevidas em razão de cargos públicos, assim como movimentação financeira suspeita indicativa de eventual delito de lavagem de dinheiro […]. Encontra-se, portanto, demonstrado o fumus boni juris (fumaça do bom direito) para a decretação da medida de sequestro ora requerida”, disse o juiz João Batista Gonçalves, em sua decisão.

Para o MPF, há indícios de que foram cometidos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e associação criminosa. Como provas, o órgão apresentou documentos obtidos junto a executivos do grupo J&F, diálogos entre pessoas e relatórios, além de elementos de informação resultantes da Operação Patmos e de relatórios do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF).

Parte dos recursos, diz a denúncia, teria sido direcionada ao PSDB por meio de doações oficiais, simulação de prestação de serviços, emissão de notas fiscais fraudulentas e entregas de valores em espécie. Parte também teria sido utilizada para a compra de apoio de partidos políticos.

Vários políticos envolvidos, alguma novidade?

O magistrado responsável pelo caso também atendeu ao pedido feito pelo MPF e determinou o bloqueio de cerca de R$ 226 milhões em ativos financeiros de outros 15 investigados, dentre os quais estão o ex-deputado federal Benito Gama (PTB), a ex-deputada federal Cristiane Brasil Francisco (PTB), que também foi ministra do trabalho na gestão de Michel Temer, o ex-deputado federal Danilo Castro (PSDB) , que também foi secretário de governo de Aécio em Minas Gerais, o ex-deputado federal Eduardo Seabra (PTB), , o presidente da câmara municipal de Barretos Leandro Aparecido da Silva Anastácio (SD), o ex-tesoureiro do PTB Luiz Rondon Teixeira de Magalhães, que chegou a ser nomeado vice-presidente corporativo da Caixa Econômica Federal na gestão de Dilma Rousseff, Pedro Meneguetti, ex-secretário da Receita do governo de Antonio Anastasia, Frederico Pacheco de Medeiros (primo de Aécio Neves), que teve o bloqueio de R$ 109 milhões e Ricardo Guedes Ferreira Pinto – sócio diretor do Instituto de pesquisa e consultoria Sensus.

Empresas com bens bloqueados

Cinco empresas também tiveram seus ativos bloqueados:

Data World Pesquisa e Consultoria S/C Ltda. – R$ 6 milhões

Eletrobidu Comercial Elétrica Ltda. – R$ 163 mil

Nando’s Transportes Ltda. – R$ 3 milhões

PVR Propaganda e Marketing Ltda. – R$ 2,5 milhões

Rádio Arco Iris Ltda. – 1,35 milhão

Aécio, centrão e COAF

Diante de tais fatos fica fácil saber porque Aécio Neves foi um dos Deputados que votou a favor da retirada do COAF das mãos do ministro Sérgio Moro, bem como seus colegas de Partidos “fisiologistas” que compõem o centrão, que abarca o que tem de pior na política brasileira. A atitude é compreensível, pois depois de tantos anos de cleptocracia onde “piratas privados, burocratas corruptos e criaturas do pântano político” governavam o país ao seu bel prazer, como ousa um governo agora não adotar mais o presidencialismo de coalizão, inviabilizando o loteamento de ministérios e não “articular” mais com o parlamento? Como pode um ministro da Justiça querer utilizar o COAF como um mecanismo de combate a corrupção, e ainda por cima elaborar um pacote anticrime que viabilize a atuação da Polícia frente ao crime organizado, prendendo bandidos e mandando condenados em segunda instância para cadeia?

É meu caro Aécio, embora tenhamos um STF composto por ministros como Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski, que adoram dar habeas corpus para políticos, sinto em lhe dizer, mas já não são dias tão fáceis para políticos corruptos.

 

Etiquetas
Mostrar mais

Adriano de Oliveira Barros

Graduado em Administração de Empresas pela Universidade de Franca, politicamente incorreto, articulista, apaixonado por música, filosofia e política.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios